Filme ou vida real?

Candidatos têm quatro minutos para mostrar que são bons partidos em encontro de solteiros

Ana_V_speed1

Por Ana Carolina Vaz

É noite de sábado, e o café no bairro Trindade está lotado, o que me exige certa discrição ao abordar a atendente do estabelecimento. Pergunto se ali ocorreria “um evento” logo mais.

– O Speed Dating? – ela questiona sorridente, em alto e bom tom, enquanto me encolho e olho para os lados – É no mezanino, é só subir.

Faltam 15 minutos, e a maioria dos homens já está no local. As mulheres vão chegando elegantemente atrasadas. Sem assunto, reparo na falta de coerência do vestuário masculino: há desde terno, gravata e sapato de bico fino, até jeans, camisa pólo e os famosos sapatênis. Um dos participantes elogia a “força” da equipe feminina. Antes de explicar as regras do encontro, o organizador Alan Romanelli começa um discurso simpático elogiando a coragem dos candidatos. “Este é um lugar para quem não gosta de balada. Ou ao menos para quem não considera a noite a melhor forma de conhecer pessoas bacanas”, disserta.

Para os envergonhados, uma boa desculpa. O evento pode ser novidade no Brasil, mas não no mundo. De acordo com o site brasileiro oficial do Speed Dating, os primeiros encontros com esse formato aconteceram em 1998, nos Estados Unidos. A ideia surgiu como um ato religioso no qual diversos jovens se encontravam para se conhecer e formar novos casais. Aos poucos, a prática se popularizou na Austrália, na China e em países da Europa, e se tornou uma forma de criar relacionamentos de forma divertida e rápida. Aqui no Brasil, diversas cidades já realizam os encontros, que geralmente são em bares, restaurantes ou baladas.

Alan disfarça, mas de vez em quando espia o relógio. Duas mulheres ainda não chegaram, embora tenham confirmado que estavam a caminho. Desistências de última hora são normais. Naquela faixa etária, dos 30 aos 40 anos, especialmente de mulheres. “Quanto menor a idade, mais homens. Conforme a idade avança, a procura se inverte”, confidenciava ele, mais cedo, ao grupo masculino.

Alguns minutos se passam e a lista de presença dos participantes finalmente vai fechando. E que comece o jogo! Cinco homens e cinco mulheres. Sentados em mesas para dois, eles têm exatos quatro minutos para mostrar que são bons partidos. Parece cenas de ‘Hitch, o conselheiro amoroso’, ‘O Virgem de 40 anos’, ‘Sex and the city’ e ‘House’. Mas não é.

Ana_V_hitch3

“Cada vez que o participante sentar com alguém durante os quatro minutos, ele preenche uma ficha com nome, e-mail e telefone da pessoa com quem estiver conversando e escreve se quer amizade, romance ou nenhuma das alternativas”, explica a mestre de cerimônias do evento, enquanto aperta uma buzina barulhenta que sinaliza que o tempo acabou, e é hora de conhecer o próximo candidato.

Papo vai, papo vem… E lá se vão os dez pretendentes em 40 minutos. É hora de entrevistar os participantes. Apesar das mulheres serem as que mais procuram esse tipo de programa — segundo o site Speed Dating Brasil, elas representam cerca de 70% das inscrições — na hora de falar sobre o assunto ainda se mostram reservadas. Muitas concordaram em dar seu depoimento, mas não querem ter seus rostos e nomes revelados na reportagem. Elas têm medo de passar uma imagem de incompetência amorosa. “Não quero que achem que eu sou uma encalhada por vir aqui”, diz uma das participantes.

Ana_V_speed3

Já os homens, mesmo os tímidos, enfrentam com mais facilidade a situação. Falam de suas preferências, anseios e receios, sem pudor de não agradar as candidatas. Guilherme Oliveira é veterano no jogo e garante que quatro minutos não é pouco para saber se rolou algum clima. “O tempo é mais do que suficiente para saber se tem química ou não. E sempre procuro fazer a minha pergunta eliminatória, para me ajudar a julgar a candidata: ‘Qual a sua música preferida?’. Se a menina responde axé, pagode ou sertanejo, já coloco um ‘não’ na ficha”, conta o agente federal, que não perdeu tempo e anotou os contatos de telefone das trinta candidatas com quem conversou durante o rodízio.

A professora do curso de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Andrea Barbará, acredita que estes encontros vêm propor soluções para certas pessoas: as que, mesmo sendo sociáveis, são exageradamente tímidas para tomar a iniciativa do primeiro contato. O que é diferente no Speed Dating, já que o primeiro passo é da organização. “Só critica e julga absurdo quem tem essas competências comunicacionais e pensa que estas formas são artificiais. Estes são até encontros mais reais do que os que começam na Internet. Está ali o corpo, o dizer, o olhar da pessoa naquela situação, que tem que mostrar o que vale em apenas quatro minutos”. Para ela, nas escolhas conjugais as pessoas acabam muitas vezes por casar na mesma classe social, no mesmo grupo de amigos ou com colegas de trabalho. As técnicas do Speed Dating possibilitam “o imprevisto”, permitindo que se “fale com desconhecidos”, conclui a professora.

Fim de jogo! Todo mundo falou com todo mundo. Diferentemente da chegada, todos já estão mais soltos e confortáveis. Os participantes já foram embora e os trabalhos agora são da organização. Hora de checar ficha por ficha e analisar os resultados da noite: quem se interessou por quem, quem descartou quem, quem cogitou algo a mais com alguém. Talvez daí, surjam encontros com mais de quatro minutos de duração. Pelo menos esta é a expectativa dos organizadores. A seu favor, Alan Romanelli afirma que, em média, cerca de 83% dos participantes de Speed Dating no Brasil têm pelo menos um match (correspondente) em cada evento e, até o momento, foram registados sete casamentos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s